Protocolos de comunicação de API: o lado técnico nos bastidores

Protocolos de comunicação de API: revelando nossa intrincada conectividade

Em um mundo no qual os desenvolvimentos web e de software são contínuos, o papel das APIs (Application Programming Interfaces) se torna cada vez mais decisivo. APIs são os condutores pelos quais diferentes sistemas de software se comunicam e compartilham dados, permitindo a integração entre diversas aplicações.

Por trás dessa sinergia estão protocolos de comunicação, que são as regras e convenções base que governam como essa troca de dados acontece. Neste material, vamos explorar protocolos de comunicação chave comumente utilizados em interações de API: HTTP, HTTPS, REST e SOAP.

HTTP: a base da comunicação web

O que é HTTP?

HTTP (Hypertext Transfer Protocol) é um protocolo consolidado e fundamental, utilizado para troca de dados na internet. Ele proporciona um conjunto de regras e convenções que definem como a informação é transmitida entre um cliente (geralmente um web browser ou uma aplicação) e um servidor (onde web resources são hospedados). 

Em sua essência, HTTP é um protocolo baseado em texto que opera sobre a camada de aplicação da suite de protocolo de internet, utilizando um modelo de request-response. Esse protocolo é o motor por trás da maioria de atividades relacionadas à web, desde o carregamento de uma página em um browser até a interação com uma API baseada em web. HTTP permite a solicitação e obtenção de resources como documentos HTML, imagens  e planilhas - itens que compõem e experiência web.

Papel do HTTP nas APIs

O cliente envia um request HTTP para o servidor, especificando o resource que deseja acessar, o método a ser utilizado (GET, POST, PUT, DELETE, por exemplo) e parâmetros adicionais. 

O servidor processa o request, obtém os dados necessários ou executa a ação solicitada, enviando uma response HTTP de volta, geralmente com um status code e os dados solicitados.

HTTP é simples, leve e stateless - uma excelente escolha para diversas APIs baseadas em web. No entanto, carece de features de segurança, o que levou ao desenvolvimento de seu equivalente seguro, o HTTPS.

Como HTTP funciona

Enquanto HTTP é sinônimo de web browsing, também serve como espinha dorsal de APIs baseadas em web. Quando você interage com uma API RESTful, por exemplo, está utilizando HTTP como protocolo. Requests e responses de API são desenhados como mensagens HTTP, permitindo que desenvolvedores realizem a implementação e trabalhem com facilidade.

APIs construídas sobre HTTP geralmente seguem estes princípios:

Baseadas em resources: APIs são desenhadas levando em conta resources, cada uma identificada por uma URL (Uniform Resource Locator) única.

Métodos standard: métodos HTTP (GET, POST, PUT, DELETE, etc.) são utilizados para executar ações em resources. Por exemplo: GET obtém dados, POST cria novos dados, PUT atualiza dados existentes e DELETE remove dados.

Stateless: cada request de um cliente para um servidor é independente e autossuficiente. Servidores não armazenam informações sobre o estado do cliente entre requests. Isso simplifica a escalabilidade e consistência.

HTTPS: segurança na transferência de dados

HTTPS (Hypertext Transfer Protocol Secure) é uma extensão de HTTP que adiciona uma camada extra de segurança à transmissão de dados. Utiliza protocolos de criptografia, como SSL (Secure Sockets Layer) ou seu sucessor TLS (Transport Layer Security), para proteger dados de ataques. HTTPS garante a confidencialidade e integridade da informação trocada entre cliente e servidor

HTTPS é essencial para APIs que lidam com dados sensíveis, como informações pessoais, transações financeiras e tokens de autenticação. Usuários podem confiar que seus dados estão seguros ao interagir com serviços que adotam HTTPS.

REST: Representational State Transfer

REST não é um protocolo de comunicação no sentido tradicional, mas um estilo arquitetônico que define um conjunto de restrições para criar web services. APIs RESTful utilizam o protocolo HTTP para comunicar e aderir a um conjunto de princípios:

  • Statelessness: cada request de um cliente para um servidor deve conter toda a informação necessária para compreender e atender ao request. O servidor não armazena qualquer informação sobre o estado do cliente.
  • Arquitetura cliente-servidor: o cliente e o servidor são entidades separadas que podem evoluir de forma independente. Essa separação simplifica a escalabilidade e otimiza a consistência do sistema.
  • Interface uniforme: APIs REST utilizam um conjunto de regras e convenções uniforme e consistente, tornando seu entendimento e utilização fáceis. Resources são identificados por URIs, e métodos HTTP standard (GET, POST, PUT, DELETE) são empregados para interagir com esses recursos. 
  • Resource-based: resources como usuários, produtos ou pedidos estão no centro das APIs RESTful. Cada resource é identificado por uma URI única.
  • Comunicação stateless: a comunicação entre cliente e servidor é stateless, ou seja, cada request do cliente para o servidor deve incluir toda a informação necessária para compreender e atender ao request.
  • Sistema em camadas: APIs REST podem ser construídas utilizando um sistema de componentes em camadas, permitindo flexibilidade e escalabilidade.

REST se tornou o padrão no design de APIs web por conta de sua simplicidade, escalabilidade e facilidade de uso. É particularmente apropriado para web services acessíveis publicamente e aplicações mobile.

SOAP: a velha guarda dos web services

SOAP (Simple Object Access Protocol) é um protocolo para troca de informação estruturada em web services. Ao contrário do REST, que enfatiza a simplicidade e o uso de métodos HTTP padrão, SOAP é mais pesado e flexível. Permite a troca de tipos de dados complexos e suporta features como segurança e transações.

Mensagens SOAP são tipicamente codificadas no formato XML e enviadas via diversos protocolos de transporte, incluindo HTTP e SMTP (Simple Mail Transfer Protocol). Esta tem sido uma escolha popular para web services de nível empresarial por conta de sua robustez e suporte a cenários complexos.

No entanto, SOAP é considerado mais complexo e menos amigável comparado ao REST, o que tem causado um declínio de popularidade nos últimos anos. A simplicidade do REST e seu alinhamento com práticas standard de HTTP o tornaram a escolha favorita de muitos desenvolvedores.

As vantagens do SOAP

SOAP tem diversas vantagens que contribuíram para sua longa popularidade:

  • Independência de plataforma: não importa se esteja rodando uma aplicação Windows, um web service baseado em Java ou um app mobile, SOAP pode facilitar a comunicação entre esses diversos sistemas.
  • Segurança: suporte a features de segurança como criptografia e autenticação, despontando como uma escolha apropriada para aplicações que lidam com dados sensíveis.
  • Consistência: entrega de mensagens consistente. Além disso, oferece features como mecanismos de reconhecimento, que garantem que mensagens sejam entregues e processadas sem perdas. 
  • Tratamento de erros integrado: forma padronizada de tratar erros através do elemento “fault” em suas mensagens, garantindo que o remetente e o destinatário entendam como tratar esses erros.

Limitações do SOAP

  • Complexidade: mensagens SOAP podem ser mais complexas do que outros protocolos de API, como REST, tornando o desenvolvimento e o debugging mais desafiadores.
  • Performance: o formato XML utilizado em SOAP pode ser mais verboso do que outros formatos de troca de dados, o que pode resultar em mensagens com tamanho maior e performance potencialmente mais lenta.
  • Menos amigável: SOAP não é tão intuitivo quanto outros formatos, o que pode tornar mais difícil o trabalho dos desenvolvedores.

Em conclusão, entender os diversos protocolos de comunicação utilizados em interações de API é vital para desenvolvedores e organizações que estejam em busca de construir, garantir a segurança e otimizar seus sistemas de software. HTTP e HTTPS formam a fundação da comunicação baseada em web, garantindo a transmissão de dados e segurança.

REST e SOAP representam duas abordagens diferentes no design de web services. Com sua simplicidade e aderência a convenções HTTP, o REST é a escolha mais popular no desenvolvimento moderno. No fim das contas, a escolha do protocolo depende de necessidades e limitações específicas do projeto em questão, mas ter um sólido domínio desses protocolos é crucial para enfrentar os desafios do desenvolvimento moderno de software.

Back

Embrace an architecture that is agile, scalable, and integrated

Accelerate the delivery of your digital initiatives through less complex and more efficient APIs, microservices, and Integrations that drive your business forward.